RAÍZES DA MATA INICIA PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO ORGÂNICA PARA 2021

 No dia 30/10/2020, se iniciou uma série de visitas para realizar a previsão de produção orgânica das famílias agricultoras da Organização de Controle Social (OCS Raízes da Mata), além do planejamento de comercialização para o próximo ano. Essas atividades formam parte da soma de obrigações anuais da OCS, em conjunto ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA).

As visitas iniciaram-se com a família da Edinha e do Gil, que atualmente acessam diferentes mercados diretos como o PNAE (Programa Nacional de Alimentação Escolar) e PAA (Programa de Aquisição de Alimentos), entregas em domicílio e entrega de cestas da Raízes da Mata, já que as feiras ainda estão suspensas em Viçosa.

Gil e Edinha comentaram que, diante do impacto da pandemia – que limitou e diminuiu drasticamente a comercialização d@s agricultor@s pelo fechamento temporário de feiras entre outras mudanças – o planejamento de produção para o próximo ano fica comprometido pela incerteza que a situação apresenta.Ainda assim, hoje a família continua produzindo uma diversidade de mais de 50 produtos com garantia da qualidade orgânica pela OCS. 

Foto : Eugênio Resende/Geninho.


A realização dessa atividade foi possível através do projeto “Constituição e desenvolvimento de um sistema participativo de garantia da qualidade orgânica dos produtos da agricultura familiar na zona da mata de minas gerais”, realizado entre a UFV e o MAPA,  e de Emendas Parlamentares de deputados federais do Partido dos Trabalhadores (PT) de MG voltadas para o fortalecimento  do Polo Agroecológico e de Produção orgânica da Zona da Mata e do ECOA (Núcleo de Educação do Campo e Agroecologia) da Universidade Federal de Viçosa.

Foto: Arquivo Rede – Quintal Edinha e do Gil (2018).

Colaboração
Informação e revisão: Eugênio Resende/Geninho

Nove anos de trabalho a celebrar!

Somos agradecidos por cada fio que compõe a nossa história e movidos pela certeza de que há muito o que construir, nesta trama colaborativa e solidária!

Foto Luciano Hara

Sonhamos e já faz muito tempo. Sonhamos de olhos abertos, consciência desperta e prestatividade para o trabalho. Desde antes de 2011, é verdade, quando começamos nossas feiras de trocas. Mas neste ano, em especial, decidimos dar asas a este sonho e fincar a construção da nossa Rede. Já éramos muitos e plurais: professores e estudantes integrantes dos grupos de agroecologia da UFV,  hoje membros do Núcleo de Educação do Campo e Agroecologia – ECOA,  da Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares (ITCP-UFV), técnicos e agricultores do Centro de Tecnologias Alternativas (CTA-ZM ) e também do MST da Zona da Mata. 

Com o tempo, mais e mais foram se achegando: outras famílias agricultoras, consumidoras e consumidores, empreendimentos solidários. Ao longo desses anos, nosso esforço de facilitar o acesso da população a alimentos saudáveis e de fortalecer famílias agricultoras que produzem sem agrotóxicos passa, necessariamente, por indagar: “De onde vem a nossa comida?”, “Quais pessoas e processos estão por trás do alimento que chega à nossa mesa?”. Sim, toda comida tem história e nós só queremos nos alimentar daquelas que respeitam a natureza e as pessoas envolvidas. 

Visita ao sítio do Raony e família em Cajuri, em setembro de 2019, na construção do SPG.

Na nossa dinâmica, que agora foi atravessada e modificada pela pandemia, a gente adora uma visita! Conversa, café partilhado e andanças pelos quintais das pessoas que compõem a Rede Raízes. Nesta troca e construção de aprendizados sobre técnicas produtivas e aprimoramento da nossa gestão compartilhada, vamos também fortalecendo vínculos de confiança e responsabilidade solidária. Estas palavras e vivências fundamentais nos nossos processos, foram e permanecem sendo pilares de conquistas muito importantes, como a de 2018, quando nos tornamos a primeira Organização de Controle Social – OCS da microrregião cadastrada pelo Ministério da Agricultura, garantindo a produção orgânica de cinco famílias. Também quando agora em 2020 nos apresentamos como Circuito Econômico Solidário, reconhecendo a importância do consumo em comunidade e a serviço do bem viver. E ainda serão, em breve, fortalezas do Sistema Participativo de Garantia – SPG no Polo Agroecológico da Zona da Mata, que permitirá a venda direta e indireta de alimentos com o selo de orgânicos.

Amamos e estamos morrendo de saudade dos burburinhos, encontros, sabores, saberes e cheiros das feiras (Quintal Solidário e Feira Agroecológica e Cultural da Violeira: vocês são nossas crushes)! São nesses ambientes não só de venda, mas sobretudo de expressão da agroecologia e da economia solidária, que criamos ainda mais conexão com a realidade que sonhamos. 

Enquanto não podemos espalhar nossos abraços, temos firmado ações de inclusão colaborativa, estreitando ainda mais nossos elos de parceria. Incorporamos à nossa lista semanal alimentos e produtos de diferentes grupos; estamos comprometidos com outros grupos e redes no desenho e estruturação de circuitos solidários de circulação e comercialização de produtos; e estamos apoiando famílias e empreendimentos no aperfeiçoamento de sua produção. 

Organização das cestas semanais durante a Covid-19. Foto: Rodrigo Avelar

E os frutos dessa colaboração já estão sendo colhidos: temos ampliado nossa oferta semanal, que vive repleta de variedade e de saúde; temos diversificado o número de cidades e iniciativas atendidas; temos estreitado a relação com consumidoras e consumidores e, ainda, temos aperfeiçoado nossas ferramentas de gestão. 

Como presente por esses nove anos de trajetória, lançamos hoje o nosso site que, além de loja virtual, será ponte de aproximação entre quem produz e quem consome. Teremos informações fresquinhas sobre os produtos (que serão identificados por selos, como ilustramos abaixo), sobre as provedoras e provedores, e sobre projetos e ações que realizamos coletivamente. Neste novo ambiente, experimentaremos ainda inovações como a carteira virtual, por meio da qual consumidoras e consumidores poderão planejar seu consumo mensal, nos ajudando a traçar um plano de ofertas que orientará a composição da nossa lista de produtos. 

Cada um desses avanços significativos é celebrado hoje, com muita alegria, pela Rede Raízes. Nosso viva a todas e todos vocês que fazem parte da nossa trama! Viva à Agroecologia! E viva aos nossos sonhos-realidades!